Hérnia de Disco - Doenças da Coluna - ITC Vertebral

 

Hérnia de Disco

O que é Hérnia de disco ?

A hérnia de disco consiste do deslocamento do conteúdo do disco intervertebral, no caso o núcleo pulposo, através de sua membrana externa chamada de anel fibroso (ânulo fibroso), aonde esse deslocamento geralmente ocorre em direção póstero-lateral. Dependendo do volume do material herniado, poderá haver compressão e irritação da medula e das raízes nervosas, representada clinicamente pela dor irradiada para os membros sentida pelo paciente com hérnia de disco (Vialle LR, Vialle EN, Henao JES, Giraldo G, 2010).

A hérnia de disco acontece após o aparecimento de rachaduras que se irradiam da parte mais central do anel fibroso em direção à periferia, dessa forma o anel torna-se mais fraco e fino, à medida que as fibras anelares afinam-se e o material nuclear projeta-se ultrapassado limites fisiológicos, apresenta-se o quadro de hérnia de disco. Esse processo é típico de uma degeneração de médio e longo prazo, mas também existe a possibilidade de que ocorra de forma abrupta, no caso de um trauma de grande impacto.



hernia de disco 1

Classificação das Hérnias de Disco:

- No plano horizontal, a hérnia pode ser denominada focal, quando é menor do que 25%, ou de base larga, quando seu tamanho está entre 25% e 50% da circunferência total do disco.

- De acordo com seu tamanho em relação a sua base, protrusa ou extrusa. Protrusa é quando o tamanho da hérnia é menor que sua base, enquanto que na extrusa o tamanho da hérnia é maior que sua base.

- Quando extrusa pode ser seqüestrada, quando houve perda total de contato com o disco, ou migrada, quando o material não está no local de extrusão.

- A hérnia de disco pode está contida com a integridade do ânulo fibroso, ou não contida por nenhuma cobertura.

- De acordo com sua posição no interior do canal medular: central, posterolateral, foraminal ou extraforaminal. (Fardon DF, Milette PC. 2001)

Sintomas da Hérnia de Disco

Os pacientes apresentam dor na coluna acompanhada ou não de dor nos membros, como dor nos membros acompanhada ou não de dor na coluna. O fenômeno doloroso pode vir acompanhado de perda de força e de sensibilidade no membro acometido. (Papel PR, Lauerman WC. 1997).

Os sinais e sintomas da hérnia de disco na coluna lombar são variados e incluem: dor na coluna lombar (lombalgia), dor e parestesia nos membros inferior (ciatalgia), dor lombar e no membro inferior (lombociatalgia), alteração de sensibilidade nos membros inferiores (disfunção sensitiva), déficit motor nos membros inferiores (alteração da força muscular), teste de estiramento do nervo ciático positivo (sinal de Lasegue), atrofia da musculatura profunda da coluna, alteração postural em decorrência da dor (postura antálgica) e diminuição da amplitude de movimento articular. Com uma variedade de sinais e sintomas existentes, é de grande importância uma avaliação minuciosa e diferenciada para o estabelecimento de um prognóstico em decorrência de uma futura intervenção terapêutica (Righsso O, Falavigna A, Avanzi O. 2007; Falavigna A, Neto OR, Bossardi J. et al 2010; Vialle LR, Vialle EN, Henao JEN, Giraldo G 2010).

Causas da Hérnia de Disco

Fatores genéticos têm um papel muito mais forte na degeneração do disco do que se suspeitava anteriormente. Um estudo de 115 pares de gêmeos idênticos mostrou a herança genética como responsável por 50 a 60% das alterações do disco. (BackLetter 1995).

Outros fatores também podem contribuir para o surgimento da hernia de disco, tais como permanecer por longos períodos na posição sentada com o tronco inclinado à frente, carregar objetos pesados com os braços estendidos na frente do corpo, sofrer exposição à vibração por períodos prolongados como dirigir por diversas horas, e a combinação da exposição à vibração com o ato repetido de levantar peso. As profissões que exigem uma posição com o tronco em inclinado anterior, sem o devido apoio para o tronco, tem mais facilidade em desenvolver uma lesão discal (Magnusson ML, Pope ML, Wilder DG, 1996; Negrelli WF, 2011).

O sedentarismo é uma causa de grande relevância, visto que com a diminuição da força dos músculos estabilizadores da coluna (transverso do abdômen e multífidos) pelo desuso, esses músculos perdem a sua função de proteção. Os músculos estabilizadores são responsáveis por dissipar as forças de cargas compressivas que incidem sobre a coluna durante a sustentação do tronco, como também evitam o cisalhamento entre vértebras (movimentos alem do fisiológico). Com mais compressão e tensão sobre disco temos mais chance de adquirir uma doença degenerativa no disco.


Entre fatores ocupacionais associados a um risco aumentado de dor lombar estão:
- Trabalho físico pesado
- Postura de trabalho estática
- Inclinar e girar o tronco freqüentemente
- Levantar, empurrar e puxar
- Trabalho repetitivo
- Vibrações
- Fatores Psicológicos e Psicossociais (Adersson GBJ,1992)

hérnia de disco lombar

 

Investigação diagnóstica

Deve ser realizada no paciente uma avaliação clínica minuciosa, e em seguida somar aos achados da avaliação clínica os dados encontrados no exame complementar (exames radiológicos de imagem). Os exames radiológicos utilizados são raios X simples da coluna, a tomografia computadorizada e a ressonância magnética.

Tratamento para Hernia de Disco

  • RMA da Coluna Vertebral

A Reconstrução Músculo-Articular da Coluna Vertebral (RMA da Coluna Vertebral) é um programa fisioterapêutico desenvolvido para promover a recuperação funcional e reabilitação de pacientes com hérnia de disco e lesões osteo-mio-articulares da coluna vertebral.  O programa utiliza basicamente a união de três recursos terapêuticos: 1) As técnicas de Fisioterapia Manual. 2) Os recursos da Mesa de Tração Eletrônica e Mesa de Descompressão Dinâmica. 3) Exercícios de Estabilização Vertebral, Pilates e Fortalecimento Muscular Direcionado (Musculação). O principal objetivo do RMA da Coluna Vertebral é devolver as condições fisiológicas (pré-lesão) de tensão do sistema miofascial e reequilibrar a função muscular, melhorar o grau de mobilidade articular dos segmentos em disfunção, diminuir a compressão no complexo disco-vértebras e facetas articulares devolvendo o espaço intervertebral para os nervos e gânglios nervosos, e fortalecer os músculos profundos e posturais da coluna vertebral através de exercícios terapêuticos específicos enfatizando o controle intersegmentar da coluna lombar, quadril, cervical e ombro. Saiba mais...

5 Etapas do tratamento:



Este conteúdo lhe foi útil? Indique ao Google e Facebook: