23/04/19 22:37 Hiperlordose e Hipercifose ITC Vertebral Hiperlordose e Hipercifose

Hiperlordose e Hipercifose

hiperlordose-hipercifoseO dia a dia sempre agitado, a ausência de tempo ou mesmo a falta de conhecimento sobre cuidados simples podem acabar resultando em uma postura inadequada e, consequentemente, em diferentes problemas, não apenas para a coluna vertebral, mas para a saúde do corpo inteiro.
Também chamada de espinha dorsal, a coluna vertebral se articula superiormente com o crânio e inferiormente com o osso do quadril (ilíaco) e é dividida em quatro regiões: cervical (com 7 vértebras); torácica (com 12 vértebras); lombar (com 5 vértebras) e sacro-coccígea (com 4 vértebras).
Em sua estrutura, a coluna vertebral apresenta curvaturas consideradas fisiológicas, a saber: Lordose/cervical (convexa ventralmente); Cifose/torácica (côncava ventralmente); Lordose/lombar (convexa ventralmente); Cifose/pélvica (côncava ventralmente).
Dentre as principais funções inerentes à coluna, podemos identificar o suporte do peso do corpo; a proteção da medula espinhal e dos nervos espinhais; a promoção de maior flexibilidade ao corpo e também o papel fundamental na locomoção e na postura.
 

Postura incorreta? Seu corpo padece

Se você não adota uma postura correta no dia a dia, quer seja em casa, no trabalho, no lazer ou durante a prática de atividades como dirigir é bem provável que o mau hábito seja responsável pelo surgimento de desvios anormais na coluna: acentuando as curvas (normais) já existentes, gerando a hiperlordose ou a hipercifose, por exemplo, ou tornando as curvaturas pouco evidenciadas (neste caso a coluna é reta).
Os desvios posturais, por sua vez, podem levar ao uso incorreto de outras articulações, como ombros, braços, quadris, joelhos e pés. Isso ocorre porque diante do desequilíbrio postural o corpo buscará, naturalmente, compensações a fim de manter o indivíduo em equilíbrio (o que, normalmente, também pode causar enrijecimento e encurtamento dos músculos). Além disso, os desvios posturais poderão acarretar, com o passar do tempo, pressão entre as vértebras, gerando as famosas dores nas costas.
Todas as partes do corpo estão interligadas. Portanto, se você não utiliza uma postura adequada durante suas atividades corriqueiras, todo o seu corpo poderá ser afetado e não, apenas, a coluna.
 

A coluna vertebral e os desvios

Vista de perfil, a coluna vertebral possui dois tipos de curvas naturais: a lordose e a cifose. A lordose é a curva encontrada nas regiões cervical e lombar, e a cifose é encontrada nas regiões torácica e sacro-coccígea. A presença dessas curvas é normal, mas o aumento e a diminuição que elas podem sofrer são considerados alterações posturais ou patológicas.
A hipercifose é o aumento do grau da curvatura da coluna torácica, dando a impressão de uma “corcunda”. Essa alteração ocorre por diversos fatores, podendo ser uma alteração postural, por fraturas de osteoporose ou por patologias mais agravantes, como exemplos a Doença de Scheuermann e a espondilite anquilosante. Nos casos mais avançados, essa deformidade pode ser percebida, facilmente, observando as costas do indivíduo, e pode ser confirmada por meio da radiografia, exame pelo qual é medido o grau da curvatura. Ela ocorre, principalmente, na terceira idade, sendo mais acentuada nas mulheres.
A hiperlordose é o aumento do grau da curvatura da coluna cervical e/ou lombar. Na lombar, a hiperlordose dá a impressão de um “bumbum empinado”, originando-se de diversos fatores, desde alterações genéticas, fraqueza muscular ou hábitos de má postura. A hiperlordose tende a gerar dores na região da coluna acometida, principalmente, quando o indivíduo produz atividades que exijam bastante esforço ou durante a realização de movimentos repetitivos.
Ambos os casos de alterações posturais, hipercifose e hiperlordose, podem ser tratados com a fisioterapia, por meio de exercícios específicos e técnicas de correções posturais, como a RPG (Reeducação Postural Global). Em alguns casos, pode-se usar coletes, palmilhas e colchões específicos, associando-se ao tratamento. Após o diagnóstico, o profissional sempre irá utilizar o tratamento mais indicado adequado para cada caso, trabalhando de maneira personalizada para obter a erradicação ou o alívio das dores. Somente em casos raros, essas alterações posturais precisam ser corrigidas com a cirurgia.
 

Hiperlordose

hiperlordoseA hiperlordose lombar está associada a uma anteversão pélvica e consequentemente um realinhamento de todas as outras curvas da coluna para uma compensação. A anteversão pélvica pode estar associada a um desequilíbrio dos músculos abdominal e glúteos, que estão enfraquecidos, e na musculatura lombar que se apresenta encurtada. Já a retificação da lordose lombar, esta associada à retroversão da pelve, originando um costa plana, com diminuição da mobilidade.
A hiperlordose cervical é caracterizada por uma proeminência da cabeça. A retificação da lordose cervical se caracteriza pela diminuição da lordose e consequentemente um pescoço reto, com diminuição de mobilidade.
Sintomas da hiperlordose
Modificação da postura do corpo
Limitação da mobilidade da coluna.
Causas da hiperlordose
Atitude assumida (má postura)
Fadiga
Fraqueza muscular
Gravidez
Obesidade
Diagnóstico e exames
Quanto mais precocemente for realizado o diagnóstico das deformidades da coluna melhor será o prognóstico. Para isso, o examinador realiza exames físicos, com uma detalhada observação do paciente com as costas desnudas e nas vistas frente, costas e perfil. Este exame é complementado por outro de fundamental importância diagnóstica que é a radiografia. O Raio X é o exame de escolha para todo paciente com exame clínico sugestivo de deformidade da coluna vertebral. Deve ser realizado com o paciente em pé, nas incidências antero-posterior e perfil e de preferência incluindo toda a coluna no mesmo filme. As deformidades são mensuradas em ângulos pela radiografia.
A coluna vertebral é formada por três tipos de curvas: cifóticas, lordóticas e escolióticas. As curvas cifóticas se referem à curva feita para fora da coluna torácica, enquanto as curvas lordóticas se referem à curva feita para dentro da coluna lombar ou cervical, bem acima das nádegas. Essas duas curvas são normais, exceto em graus aumentados. Já as curvas escolióticas são sempre anormais.
A lordose é caracterizada, portanto, por uma curvatura lordótica alterada, gerando a hipolordose (curvatura reduzida) ou a hiperlordose (curvatura acentuada). A segunda é a mais comum. Dentre as principais causas, podem ser identificadas alterações genéticas, contraturas e fraqueza muscular, especialmente, da musculatura abdominal e dos quadris.
A lordose pode surgir em todas as faixas etárias. Quando aparece na coluna lombar, o indivíduo tende a parecer excessivamente curvado nas costas, a região das nádegas é mais proeminente e a postura exagerada e pode haver presença de dor. Em alguns casos, a lordose pode afetar ainda o movimento.
 

Doenças que podem contribuir para o aparecimento da hiperlordose

– Espondilolistese: uma vértebra escorrega para frente em relação a uma vértebra adjacente, e isso ocorre, geralmente, na própria coluna lombar.
– Obesidade: o indivíduo com sobrepeso pode se inclinar para trás, numa tentativa de melhorar o equilíbrio. O resultado é um impacto negativo na postura.
– Osteoporose: o distúrbio da densidade óssea pode causar a perda de força das vértebras e, por conseguinte, comprometer a integridade estrutural da própria coluna.
Nem toda lordose precisa de algum tipo de tratamento, mas quando a curva é rígida – deixando as costas sem flexibilidade – há a necessidade de um tratamento eficaz e bem direcionado.
O termo não parece tão usual, mas as dores posturais surgem com frequência na população e podem causar extrema fadiga local até a limitação pessoal de certas atividades corriqueiras.
 

Hiperlordose em gestantes

hiperlordoseDurante a gestação, a barriga da mulher pode crescer até cerca de 40cm. Esse crescimento leva a alterações na morfologia da coluna, ocorrendo, principalmente, aumento da curvatura da região lombar. Estima-se que cerca de 80% das gestantes apresentarão algum tipo de dor nas costas.
A causa da dor nas costas está na alteração da postura das mulheres, que, devido ao peso da barriga, deslocam o centro de gravidade para a frente. Essa projeção da barriga gera uma hiperlordose lombar, ou seja, um aumento na curvatura da coluna lombar. Além do desconforto, a gestante tem dificuldade para realizar diversas atividades, como levantar e sentar, permanecer por muitas horas em uma mesma posição e até dormir.
Com o passar das semanas, o centro de gravidade do corpo se desloca cada vez mais para frente. Da vigésima a vigésima oitava semana de gestação é o período mais acometido, porém pode se iniciar já a partir da oitava semana.
Durante a gestação, ocorre uma intensa transformação no corpo da mulher, para que esta se prepare para o momento do parto. Hormônios como a relaxina e o estrógeno, provocam uma maior frouxidão nos ligamentos da coluna e da bacia. Alterações na postura durante a gestação, através das compensações, auxiliam na manutenção da posição ereta e olhar horizontal, enquanto o crescimento do feto e o aumento do útero provocam um aumento do peso da mulher e afetam o equilíbrio do corpo. O aumento do peso é concentrado inicialmente na barriga e os músculos abdominais vão diminuindo o seu tônus pelo crescimento do útero. A lordose lombar aumenta para compensar esse peso e sobrecarrega a porção inferior da coluna. O resultado disso tudo são intensas dores na região da coluna.
Vale ressaltar que as mulheres que já apresentavam alguma história de dor nas costas antes de engravidar têm chance aumentada de sofrer com a coluna. Como todos esses fatores influenciam na coluna, as mulheres devem se atentar à sua saúde. Praticar exercícios físicos na gravidez é uma ótima maneira de prevenir as dores nas costas. Tendo em vista que estes são fundamentais para manter o peso sob controle e, além disso, fortalecem a musculatura abdominal.
Procure praticar regularmente exercícios físicos de preferência com orientação profissional. Lembre-se de conversar com o seu obstetra para se certificar de que a atividade física é liberada no seu caso.
Outro cuidado importante é manter uma alimentação regulada, engordando apenas o recomendado (de 9 a 12 kg, variando de acordo com o IMC da mulher ao engravidar), afinal, quanto mais pesada a gestante estiver, maior será a sobrecarga na coluna.
Controlar os hábitos posturais diariamente, principalmente no trabalho, e dormir bem também são práticas essenciais para o bem estar da futura mamãe.

Hiperlordose exercícios

A prática regular de exercícios físicos é fundamental para tratar e mesmo prevenir muitas patologias. Os próprios desvios posturais, como é o caso da hiperlordose, podem contar com exercícios específicos no processo de tratamento.
Entretanto, qualquer atividade física só deve ser praticada com a supervisão de um profissional. Qualquer pessoa e, principalmente pacientes com desvios posturais, devem contar com as orientações de um especialista ao realizar qualquer exercício.
A atividade física não deve ser o único procedimento adotado para o tratamento, ela é complementar a outros procedimentos (principalmente, a fisioterapia). Uma das principais atividades orientadas ao paciente com desvios posturais ou qualquer outro problema na coluna vertebral, é o Pilates que oferece exercícios de baixo impacto.

Hipercifose

hipercifoseAs curvaturas da coluna são definidas durante o crescimento e suas amplitudes variam de indivíduo para indivíduo. Para cada pessoa essa combinação de curvas resulta em uma economia fisiológica para a postura em pé. É preciso levar em consideração essa grande variedade fisiológica para classificar essas curvaturas em patológicas e não patológicas. As hipercifoses patológicas podem ser divididas em dois grandes grupos, aquelas em que o caráter patológico se deve a importância de sua curvatura (ou posturais) e aquelas em que a característica patológica é inegável como nos casos de doenças congênitas ou adquiridas, as quais são responsáveis pelo desenvolvimento da curvatura acentuada (LOUBRESSE,VIALLE & WOLLF, 2005).
O que é cifose?
A cifose é uma curvatura natural da coluna vertebral, de convexidade posterior (na região torácica). Já a hipercifose corresponde, justamente, à anormalidade que pode surgir nessa curvatura, traduzida pelo aumento do grau, causando uma aparência corcunda.
Sintomas da hipercifose
A instalação da deformação (costas arqueadas) faz-se, habitualmente, de forma lenta, com ou sem dor nas costas, fadiga, sensibilidade e rigidez da coluna vertebral.
Causas da hipercifose
Hipercifose: Dorso curvo juvenil
Etiologia: postural
Tipos: Leve (até 50 graus), moderada (maior que 50)
Incidência: mais comuns no sexo feminino
Evolução: podem se estruturar
Tratamento conservador: eficiente – órtese ou fisioterapia postural
Tratamento cirúrgico: raramente indicado
Hipercifose: Doença de Scheuermann
Etiologia: Cunhamento vertebral >5º
Tipos: Leves: até 50º; Moderadas: 50-70º; Severas >75º
Incidência: –
Evolução: Progressivas e dolorosas
Tratamento conservador: Fisioterapia nas curvaturas leves
Tratamento cirúrgico: Moderadas e severas
Hipercifose: Paralíticas
Etiologia: Neuromuscular
Tipos: miopáticas e neuropáticas
Incidência: depende da doença primária
Evolução: aumenta a fraqueza muscular; piora a deformidade
Tratamento conservador: pouco eficiente
Tratamento cirúrgico: operação precoce
Hipercifose: congênitas
Etiologia: má formação
Tipos: Falhas de formação
Incidência: –
Evolução: podem causar quadro neurológico
Tratamento conservador: pouco eficiente
Tratamento cirúrgico: precoce
Hipercifose: inflamatórias
Etiologia: osteomielites
Tipos: Leve, moderada e severa; Agudas e crônicas
Incidência: aumentando no presente
Evolução: progressiva se não tratada
Tratamento conservador: clínico-medicamentoso; fisioterapia
Tratamento cirúrgico: Se progressiva ou com quadro neurológico
Hipercifose: Pós-traumáticas
Etiologia: Fraturas – Trauma e Osteoporose
Tipos: Fraturas instáveis agudas e crônicas
Incidência: Jovens- Trauma osteoporose – senil sedentário
Evolução: pode evoluir – bom nas osteoporóticas
Tratamento conservador: agudas gesso e colete – crônicas fisioterapia analgésica
Tratamento cirúrgico: se progressivas – raramente nas osteoporóticas
Diagnóstico e exames
A observação do doente evidencia a curvatura da coluna (corcunda) que nem sempre é reconhecida pelo próprio, mas pelos familiares e amigos. A radiografia da coluna confirma o diagnóstico.
 

Desvios e dores posturais

hipercifoseOs desvios posturais, por sua vez, podem levar ao uso incorreto de outras articulações, como ombros, braços, quadris, joelhos e pés. Isso ocorre porque diante do desequilíbrio postural o corpo buscará, naturalmente, compensações a fim de manter o indivíduo em equilíbrio (o que, normalmente, também pode causar enrijecimento e encurtamento dos músculos). Além disso, os desvios posturais poderão acarretar, com o passar do tempo, pressão entre as vértebras, gerando as dores.
 

Dores posturais são consequência de patologias?

As dores posturais – como a própria denominação evidencia – estão mais associadas ao descuido com a postura durante as principais atividades realizadas pelo indivíduo. Mas também podem decorrer de algum problema mais sério na coluna vertebral, por exemplo.
Se você não adota uma postura correta no dia a dia, quer seja em casa, no trabalho, no lazer ou durante a prática de atividades de rotina (como dirigir) é bem provável que o mau hábito seja responsável pelo surgimento de desvios anormais na coluna.
Em sua estrutura, a coluna vertebral apresenta curvaturas consideradas fisiológicas, a saber: Lordose/cervical (convexa ventralmente); Cifose/torácica (côncava ventralmente); Lordose/lombar (convexa ventralmente); Cifose/pélvica (côncava ventralmente). Dentre as principais funções inerentes à coluna, podemos mencionar o suporte do peso do corpo; a proteção da medula espinhal e dos nervos espinhais; a promoção de maior flexibilidade ao corpo e também o papel fundamental na locomoção e na postura.
O problema surge quando ocorre um aumento desproporcional das curvas (normais) já existentes, gerando a hiperlordose ou a hipercifose, por exemplo ou ainda fazendo com que as curvaturas fiquem pouco evidenciadas (neste caso a coluna é reta).
 

Cuidados para evitar as dores posturais

Existe uma postura correta para qualquer movimento que realizemos, inclusive, quando estamos em posição estática. Com a correria do dia a dia, nem sempre é possível obedecer a todas as regras, mas ainda assim podemos adotar o máximo de cuidado para não sobrecarregar os nossos músculos e articulações.
Manter a postura correta não é importante, apenas, para a boa aparência, alterações posturais desde a infância, por exemplo, já predispõem problemas na vida adulta. Daí a necessidade de prevenir hábitos incorretos de postura. Veja:
– Se você trabalha por muitas horas na mesma posição (seja ela sentada ou em pé), procure realizar alongamentos periódicos sempre que puder; levante-se e/ou caminhe um pouco nem que seja para tomar uma água ou o famoso cafezinho e procure obedecer às regras básicas de ergonomia em seu ambiente de trabalho.
exercícios-pilates– A prática de atividades físicas é bastante recomendada. Um exemplo é o Pilates, método de treinamento indicado para qualquer pessoa: tanto para quem deseja fortalecer a musculatura, quanto para quem tem sérios problemas de coluna. A técnica consegue, com seus equipamentos e atendimento personalizado, promover a melhora considerável dos pacientes. O resultado se torna eficaz porque o Pilates trabalha com a estabilização da coluna, que é o fortalecimento dos músculos profundos, responsáveis por manter as vértebras e seus componentes articulares na posição correta e, dessa forma, os exercícios ajudam a evitar diferentes problemas como: hérnias de disco, espondilólise, protrusão discal e os desvios posturais.
– Cuidar do peso corporal é também uma atitude indispensável se você deseja evitar as dores posturais. O excesso de peso prejudica a manutenção de uma postura correta. Por isso, invista em uma alimentação saudável e equilibrada!
 

Tratamento não cirúrgico para a coluna vertebral

O ITC Vertebral desenvolveu uma técnica de tratamento para a coluna vertebral sem procedimentos invasivos. Os pacientes são tratados de acordo com os sintomas e sinais da dor. Não existe um trabalho padrão e é aí que consiste um dos grandes diferenciais do ITC Vertebral: o indivíduo passa por uma avaliação criteriosa, sendo direcionado, a partir dessa primeira etapa, para um atendimento personalizado. Fala-se, portanto, em “Subclassificação” das dores na coluna vertebral, os critérios de tratamento obedecem às características individuais do estado clínico do paciente.
Esse trabalho é baseado numa pesquisa científica que foi iniciada em 1995 em Pittsburg, EUA, depois foi revisada em 2005 e 2010 por Jullie Fritz e publicada nos principais jornais e revistas científicas do mundo. A pesquisa identificou que para cada tipo de dor existem diretrizes de tratamento a serem seguidas, ou seja, as manifestações dolorosas são classificadas e recebem tratamento específico, podendo ser: manipulação ou mobilização articular; a mesa de tração; exercícios direcionais; a estabilização segmentar vertebral e a estabilização dinâmica, que atuam fortalecendo a musculatura profunda da coluna. Esses são os quatro caminhos preconizados pela pesquisa de subclassificação.
O ITC Vertebral incorporou a devida pesquisa ao trabalho clínico e acrescentou à subclassificação os exercícios e o acompanhamento ao paciente no pós-tratamento. A atenção especial ao pós-tratamento (com um programa completo de fortalecimento muscular) é decorrente do caráter degenerativo das lesões na coluna, que não têm cura. O tempo de duração do programa de tratamento não é prolongado, em dois meses são obtidos 87% de bons resultados até em pacientes mais graves.
Mas além do embasamento científico, todos os mais de 236 fisioterapeutas da rede apresentam uma excelente formação técnica com experiências clínicas que capacitam o profissional a atender às demandas individuais dos pacientes.