Exercícios Para Lombalgia Em Idosos

07/fev Por Helder Montenegro Revisão 07/fev - 2022

A lombalgia é a dor na região lombar, local mais comum para dores na coluna. Com o envelhecimento, aumentam-se os riscos de ter mais dor nessa região. Assim, exercícios para lombalgia em idosos são importantes e devem fazer parte da rotina. 

Com o envelhecimento da população, o surgimento da lombalgia em um número crescente de pacientes já é esperado. A dor na região lombar pode trazer diminuição da qualidade de vida e até levar ao afastamento do trabalho. 

No caso da população mais idosa, a lombalgia pode comprometer ainda mais a movimentação do indivíduo, o que pode trazer mais problemas de saúde. 

Mas, afinal, por que a lombalgia é tão comum e quais são os melhores exercícios para alívio das dores? E por que os idosos são tão afetados pela lombalgia?

Vamos tratar desses temas, confira! 

Agendar sua Avaliação

O que é lombalgia e por que é tão comum?

senhor de idade sentado com uma das mãos nas costas com dor na região lombar

A lombalgia é a dor na região lombar, muito comum com a idade.

A coluna vertebral é dividida em algumas regiões: cervical, que é a região do pescoço, torácica (do peito) e lombar, a região final da coluna. 

Dentre essas regiões, as regiões lombar e cervical são as mais afetadas por dores, justamente por serem as regiões de maior mobilidade da coluna vertebral. 

Dessa forma, por serem as regiões de maior mobilidade, são também as regiões que mais sofrem impacto. 

Além disso, com o envelhecimento, é natural que haja desgaste dos discos intervertebrais, estruturas localizadas entre as vértebras. Os discos promovem amortecimento e com o envelhecimento, associado ao desgaste dos discos, as estruturas ósseas podem sofrer mais atrito. 

Assim, aliado à falta de fortalecimento da musculatura, a lombalgia, sendo a dor na região lombar, torna-se bastante comum à medida que o indivíduo envelhece. 

Dados sobre a lombalgia no Brasil e no mundo

Dados mostram que a dor nas costas é a principal razão do afastamento de trabalhadores ativos pelo INSS. E que a Organização Mundial da Saúde já declarou que no mínimo 50% da população já sofreu ou ainda sofre de dores nas costas. 

Em um estudo feito no Brasil, onde 131 prontuários de idosos foram analisados, a lombalgia foi encontrada com prevalência superior a 30%. 

Desses casos, 47% apresentavam lombalgia de causa desconhecida, dor do tipo crônica em 43% dos casos e irradiação da dor para membros inferiores em 26% dos casos. 

Portanto, pode-se entender que a lombalgia tem alta prevalência em idosos, podendo diminuir a qualidade de vida, tornando-se uma dor crônica. 

Como a população está envelhecendo, com mais alta expectativa de vida, a lombalgia tende a se tornar ainda mais frequente como causas de visitas aos prontos atendimentos, prejudicando a qualidade de vida dessa população. 

Causas da lombalgia

homem sentado na cadeira do escritório curvado de lado com dor na lombar

Há várias causas para a lombalgia.

Dentre as principais causas da lombalgia, pode-se citar: 

  • Envelhecimento das estruturas ósseas; 
  • Hérnias de disco; 
  • Baixa capacidade física para demandas diárias; 
  • Trabalhos que predispõe movimentos repetitivos; 
  • Longos períodos na mesma posição; 
  • Problemas congênitos; 
  • Excesso de peso; 
  • Sedentarismo; 
  • Tumores. 
  • Má qualidade de sono
  • Problemas psicológicos e sociais

Como tratar a lombalgia em idosos

Por ser um grupo em que a lombalgia é bastante frequente, é importante que o tratamento seja focado nessa população. 

A começar, é importante um diagnóstico adequado das causas da lombalgia, para que o tratamento possa ser individualizado. 

Assim, uma consulta com um fisioterapeuta é importante para que o paciente descreva como é a dor na região e sua duração, por exemplo. 

Além disso, exames de imagem podem ser solicitados, para descartar outras patologias que podem gerar compressão nas terminações nervosas da coluna, gerando dor na região lombar. 

Sendo parte imprescindível do tratamento, a fisioterapia é forte aliada na melhora da qualidade de vida dos idosos. 

Como é o tratamento fisioterapêutico para lombalgia? 

fisioterapeuta fazendo exercícios para lombalgia em idosos

Há várias formas de se tratar a lombalgia, assim como existem muitos exercícios para lombalgia em idosos.

Nosso método RMA abrange diversas técnicas para tratamento e o plano de tratamento é sempre individualizado. O profissional fisioterapeuta fará uma avaliação e análise do paciente, antes de estabelecer um plano de tratamento, conforme cada caso. 

Para começar, algumas técnicas para alívio da dor, como a utilização de Osteopatia e Terapia Manual, Eletroestimulação Transcutânea (TENS) e Mesa de Tração podem ajudar a relaxar a musculatura local e a liberar substâncias internas que auxiliam na diminuição da dor.. 

Outras técnicas devem ser empregadas, como exercícios terapêuticos que vão trazer alívio das dores, melhora da capacidade física e vão promover efeitos duradouros.

É essencial que o paciente compareça aos atendimentos fisioterapêuticos e tenha aderência ao tratamento. Trata-se de um tratamento a longo prazo, mas com bons resultados. Porém, a aderência do paciente ao tratamento fisioterápico é essencial. 

Exercícios para lombalgia em idosos

fisioterapeuta fazendo exercícios para lombalgia em idosos

Há vários tipos de exercícios para lombalgia em idosos.

A prática de exercícios orientados em pacientes com lombalgia pode ajudar a diminuir as crises de dor. É importante que os exercícios sejam sempre feitos respeitando o limite de cada paciente, sem forçar. 

Para a prática desses exercícios, alguns acessórios são importantes, como uma faixa, por exemplo. Caso você não a tenha, poderá substituí-la por uma toalha grande, enrolada, ou um cinto. 

Lembre-se sempre de fazer os exercícios em um local plano e quando os exercícios forem deitados, é ideal colocar um colchonete na região das costas. 

Veja exercícios ideais para tratamento da lombalgia em idosos: 

1 – Ponte 

Deitado (a) em uma superfície plana, com apoio de um colchonete, por exemplo, posicione os pés paralelos, com os joelhos dobrados. 

Com as mãos paralelas ao corpo, eleve o quadril, contraindo o abdômen e os glúteos. Mantenha-se com o quadril elevado, contando até 20. Retorne o quadril ao chão e repita o movimento mais uma vez. 

2 – Extensão lombar 

Deitado (a) de barriga para baixo, mantenha as pernas esticadas e os peitos dos pés voltados ao chão. 

As mãos devem estar acima da cabeça, com os braços esticados. Então, eleve as pernas e os braços do chão, tendo cuidado para não forçar a região cervical. 

Repita o movimento ao menos 5 vezes. 

3 – Posição do gato e da vaca 

Essas são duas posições bastante utilizadas em aulas de yoga. O objetivo é alongar bastante a coluna e melhorar a mobilidade da região. 

Para a posição do gato, em quatro apoios, coloque a cabeça para baixo, curvando a coluna. 

Já para a postura da vaca, em quatro apoios, eleve a cabeça para o alto, afundando o abdômen para dentro e jogando o quadril para o alto, abrindo o peito. 

4 – Perdigueiro 

Outro exercício que traz alívio para a região das costas, além de auxiliar no desenvolvimento de mais equilíbrio, é o perdigueiro. 

Para isso, será necessário ficar em 4 apoios, com as mãos apoiadas nas palmas e os braços esticados na altura dos ombros. 

A seguir, eleve o braço direito, enquanto elevará a perna esquerda, esticada. Mantenha a posição por alguns segundos e repita o mesmo movimento, porém com o braço esquerdo e a perna direita esticados. 

Prevenção da lombalgia em idosos 

A prevenção é a melhor forma de evitar o surgimento de dores agudas ou que a dor na região lombar torna-se crônica. 

Portanto, algumas ações podem ajudar na prevenção da lombalgia. 

Mantenha-se dentro do peso e pratique exercícios físicos 

Manter-se no peso recomendado para sua idade e altura ajuda a evitar vários problemas de saúde, incluindo problemas na coluna vertebral. 

A obesidade e sobrepeso trazem consequências para a coluna e alguns pacientes com excesso de peso e dores na coluna conseguem alívio das dores quando conseguem perda considerável de peso. 

Outro problema é o sedentarismo. Muitos idosos não praticam atividade física frequentemente por diversos motivos.

Por exemplo, porque nunca foram adultos que praticavam atividade física regular ou porque passaram a ter problemas reumáticos, como artrite/artrose, que trazem dores nas articulações. 

Mas, a prática de atividade física ajuda a melhorar as dores, inclusive para quem tem problemas crônicos. Porém, é sempre importante consultar um fisioterapeuta para isso. 

Dentre as atividades físicas mais recomendadas estão pilates, natação, hidroginástica e caminhada, A escolha também deve se pautar no gosto pessoal do paciente para aumentar a aderência.

Evite ficar muito tempo na mesma posição 

Muitos idosos podem ficar muito tempo sentados e isso predispõe o aparecimento ou continuidade de processos dolorosos. 

Portanto, é importante manter-se ativo e evitar ficar muito tempo na mesma posição. O ideal é a cada 15 minutos, levantar-se e realizar um breve alongamento, caso for permanecer sentado (a). 

Faça alongamentos diariamente 

Para aqueles idosos que já possuem lombalgia, o ideal é fazer alongamentos, diariamente, para que não haja tensionamento muscular de forma contínua, o que aumenta o quadro de dor. 

Exercícios com faixa podem ser feitos de forma fácil na própria residência, o que facilita incluí-los na rotina diária. Com isso, pode-se minimizar quadros de dor. 

Entretanto, caso haja dor que irradia para braços ou pernas, é importante consultar um fisioterapeuta sobre a possibilidade de realizar os alongamentos. Nesses casos específicos, o alongamento pode tensionar o nervo e piorar a dor.

Invista no tratamento fisioterapêutico 

O tratamento fisioterapêutico é uma excelente forma de se evitar dores crônicas ou mesmo, tratá-las caso elas já estejam presentes na região lombar. 

Justamente por conseguir trabalhar a musculatura da região lombar de uma maneira adequada, minimizando processos dolorosos e auxiliando na reparação local, o tratamento fisioterapêutico contribui para que as doses de medicação possam ser diminuídas. 

Inclusive, basear-se somente em medicações para diminuição da dor não traz solução para o problema a longo prazo, visto que são cada vez necessárias doses mais elevadas dos medicamentos. 

Portanto, é essencial buscar tratamento adequado e ter aderência ao tratamento proposto, pelo ortopedista e pelo fisioterapeuta, para que o paciente idoso consiga ter melhor qualidade de vida e ter sua dor lombar minimizada. 

Agendar sua Avaliação

Todo o conteúdo deste website é produzido e de reponsabilidade da equipe que compõe o ITC Vertebral.