Exercícios para retrolistese

07/fev Por Helder Montenegro Revisão 07/fev - 2022

A retrolistese é uma condição rara, em que há um deslizamento de uma vértebra sobre a outra, afetando, sobretudo, a região lombar. Por isso, exercícios para retrolistese são muito importantes e devem ser realizados com cuidado e acompanhamento. 

Afinal, por ser uma condição que envolve a coluna vertebral, há exercícios para retrolistese que são indicados, mas há outros que devem ser evitados, justamente para não piorar o quadro do paciente. 

Vamos falar mais sobre a importância dos exercícios para retrolistese e quais são os exercícios mais indicados para quem tem essa condição na coluna vertebral. 

O que é retrolistese?

esquema mostrando retrolistese na coluna

A retrolistese é um deslizamento de uma vértebra sobre a outra.

Na coluna vertebral, as vértebras são separadas entre si pelo disco intervertebral. Porém, quando há degeneração do disco intervertebral, as vértebras, empilhadas, uma sobre as outras, podem sofrer deslocamento. 

A própria palavra “retrolistese” já indica o que acontece na doença: listese = deslizamento; retro = para trás. 

Agendar sua Avaliação

O termo “espondilolistese” significa deslocamento anterior da vértebra. A região mais afetada é entre as vértebras L5 e S1, no final da coluna vertebral. A região cervical é menos afetada do que a região lombar e a retrolistese é raríssima na região torácica. 

Fatores de risco 

Dentre os principais fatores de risco para a retrolistese, estão fatores genéticos. Mas, também, há risco aumentado de desenvolvimento do quadro em indivíduos que fazem constantemente movimentos de hiperextensão da coluna vertebral. 

É o caso de esportistas como em ginástica olímpica e ballet, por exemplo. Esses pacientes devem ter sempre acompanhamento, caso comecem a apresentar sintomas de dor na região lombar, visto que a piora no quadro pode resultar na interrupção de suas atividades esportivas. 

Outros fatores podem contribuir para o surgimento da retrolistese, como é o caso de tumores na região, ou ainda, devido a acidentes traumáticos, que causam o deslocamento abrupto das vértebras da coluna. 

Esses casos mais graves são também os casos mais propensos a terem indicação cirúrgica como parte do tratamento recomendado. 

Sintomas 

O principal sintoma da retrolistese é a dor na região lombar, sobretudo quando há movimentação. Com isso, o paciente pode diminuir consideravelmente a movimentação, o que piora ainda mais o quadro, tornando a musculatura do abdômen e da região lombar mais flácida. 

Além disso, a dor pode irradiar-se para os membros inferiores, sobretudo, quando há compressão dos nervos, pelo deslocamento das vértebras. 

Com a piora dessa compressão, o paciente pode, inclusive, começar a mancar (claudicação) para conseguir andar e não sofrer com a dor. 

Nos casos mais severos, pode haver formigamento dos membros inferiores e até mesmo paralisia transitória ou permanente, dependendo do grau de compressão dos nervos. 

Tipos de retrolistese

esquema de gráfico mostrando corpo humano com coluna vertebral com retrolistese

Há vários tipos de retrolistese

A classificação da retrolistese se dá conforme o grau de deslizamento da vértebra. Assim, pode-se classificar a lesão em grau I até grau IV. 

  • Grau I: 25% de deslizamento; 
  • Grau II: 50% de deslizamento; 
  • Grau III: 75% de deslizamento; 
  • Grau IV: deslizamento total da vértebra. 

Diagnóstico

Através do relato da dor, se piora ou melhora com o paciente se movimentando, em que momento a dor se intensifica, por exemplo,  pode-se ter hipóteses diagnósticas sobre o que pode ser. 

Assim, poderão ser solicitados alguns exames de imagem, para confirmar ou descartar as hipóteses diagnósticas. Dentre os exames de imagem mais solicitados, estão a radiografia e a ressonância magnética.

Prognóstico 

Muitos pacientes convivem com retrolistese por anos, de maneira assintomática. Porém, já outros, começam a sentir os incômodos de terem a compressão de nervos e crises de dor. 

Dessa forma, quando rotinas de exercícios fisioterapêuticos são incluídos na rotina do paciente e o grau de deslizamento da vértebra é pequeno, o prognóstico é excelente. 

Porém, nos casos de deslizamento mais severos, nos quais a cirurgia é indicada, o prognóstico depende também do impacto cirúrgico. 

Nos casos mais severos, a compressão nervosa pode trazer formigamento e até paralisia dos membros inferiores, que pode ser temporária ou permanente. Esses casos extremos ocorrem, geralmente, por eventos mais traumáticos, nos quais a compressão nervosa é extrema. 

Tratamento da retrolistese

Quando um paciente com retrolistese procura um fisioterapeuta, certamente, está com uma crise aguda de dor. Dessa forma, a primeira ação é tirar o paciente dessa crise aguda de dor, para que o paciente possa, inclusive, ter maior aderência ao tratamento.

De fato, a intervenção fisioterapêutica é essencial para pacientes com retrolistese, justamente porque exercícios para retrolistese são essenciais para garantir o fortalecimento muscular da região. 

Além disso, outras ações fisioterapêuticas podem também ajudar no alívio da dor sentida pelo paciente. Dentre essas ações, as mais importantes são terapia manual, tração mecânica ou neuroeletroestimulação transcutânea (TENS).   

Cirurgia para retrolistese 

A decisão sobre a realização de procedimentos cirúrgicos na coluna vertebral deve ser realizada em conjunto pelo médico, pelo paciente e pelo fisioterapeuta quando o tratamento conservador não surtiu o efeito desejado após meses de tratamento.

Em alguns casos mais severos de deslizamento de vértebra, sobretudo quando há compressão de nervos e sintomas mais graves, a cirurgia pode ser uma opção de tratamento. 

Mas, após a cirurgia, as intervenções fisioterapêuticas são imprescindíveis na recuperação do paciente. 

Exercícios para retrolistese

mulher dobrada sobre o corpo com os braços à frente fazendo exercícios para retrolisteses

Existem muitos exercícios para aliviar a retrolistese.

Pacientes com retrolistese devem ter bastante cuidado ao fazerem atividade física. Dependendo do grau de deslizamento da vértebra, mesmo se for grau I, quando não tratado adequadamente, pode evoluir com facilidade para graus mais severos. 

Portanto, exercícios que causam a torção ou hiperextensão da coluna vertebral não são exercícios indicados para pacientes com retrolistese. Cada série de exercícios para retrolistese deve ser sempre individualizada, respeitando os limites do paciente e suas necessidades. 

Já pacientes com graus mais severos de retrolistese que se submeteram à cirurgia, só estarão liberados para exercícios após 4 semanas do procedimento cirúrgico. Até lá, o profissional fisioterapeuta atuará para movimentar o paciente, de maneira suave, evitando o risco de trombose. 

Exercícios de Pilates podem ser bastante indicados para pacientes com retrolistese, visto que esse método melhora o controle postural e a capacidade funcional do paciente.

A prática de exercícios de Pilates pode ser feita no solo ou então com o uso de equipamento específico para a prática, nos quais molas podem aliviar ou apresentar maior resistência ao paciente. 

Assim, conforme o paciente evolui, as molas também podem ser alteradas, apresentando maior dificuldade do exercício.  

Além disso, exercícios de Pilates devem ser sempre prescritos e supervisionados por um profissional fisioterapeuta. 

A coluna vertebral deve estar adequadamente apoiada para a prática de exercícios. 

Vamos ver alguns exemplos de exercícios para pacientes com retrolistese. Mas lembre-se que sempre deve-se passar pela avaliação do fisioterapeuta para prescrever os melhores exercícios para cada caso específico.

Cada paciente precisa iniciar a prática a partir de sua capacidade de suportar exercícios, que devem ser adequados também na carga e no nível de dificuldade.

1 – Alívio para a dor na região lombar 

O paciente deve deitar-se de costas, com as solas dos pés apoiadas no chão. Em seguida, leve o joelho em direção ao peito e abrace a parte posterior da coxa. 

Você pode rolar para direita e esquerda, mas sempre de maneira lenta, observando seu limite de dor.

O objetivo desse exercício é trazer alívio para dor na região lombar

2 – Elevação de quadril 

Deitado (a) de costas, com a coluna firmemente apoiada no chão e as pernas flexionadas, com pés apoiados no chão, na direção do quadril, levemente afastados, eleve o quadril para cima. 

É importante contrair o abdômen e os glúteos, elevando o quadril, até formar uma linha reta entre abdômen e quadril. 

Mantenha-se nessa posição por 10 segundos e depois retorne à posição inicial. Repita o movimento pelo menos 5 vezes. 

3 – Prancha 

A prancha é um dos melhores exercícios para fortalecimento do abdômen. De fato, a musculatura abdominal é considerada essencial para que a coluna seja bem sustentada e o paciente não apresente dor. 

Em quatro apoios, com o peito do pé virado para baixo, eleve quadril e peito, bem como pernas, ficando em uma linha reta de pescoço até tornozelo. 

Contraia bem o abdômen e fique alguns segundos nessa posição. O ideal é aguentar ao menos 30 segundos e à medida que o condicionamento físico for melhorando, aumentar também o tempo na prancha. 

Lembre-se sempre de fazer os exercícios com supervisão profissional e respeitando seus limites de dor. 

Agendar sua Avaliação

Por Helder Montenegro Revisão 07/fev - 2022
Todo o conteúdo deste website é produzido e de reponsabilidade da equipe que compõe o ITC Vertebral.