ITC Vertebral

Blog ITC

Hiperlordose e Hipercifose: como como tratar

Já ouviu falar em hiperlordose e hipercifose? Também chamada de espinha dorsal, a coluna vertebral se articula superiormente com o crânio e inferiormente com o osso do quadril (ilíaco) e é dividida em quatro regiões: cervical (com 7 vértebras); torácica (com 12 vértebras); lombar (com 5 vértebras) e sacro-coccígea (com 4 vértebras).

hiperlordose e hipercifose: o aumento e a diminuição que as curvaturas podem sofrer são considerados alterações posturais ou patológicas

Em sua estrutura, a coluna vertebral apresenta curvaturas consideradas fisiológicas, a saber: Lordose/cervical (convexa ventralmente); Cifose/torácica (côncava ventralmente); Lordose/lombar (convexa ventralmente); Cifose/pélvica (côncava ventralmente).

Dentre as principais funções inerentes à coluna, podemos identificar o suporte do peso do corpo; a proteção da medula espinhal e dos nervos espinhais; a promoção de maior flexibilidade ao corpo e também o papel fundamental na locomoção e na postura.

A coluna vertebral e os desvios

Vista de perfil, a coluna vertebral possui dois tipos de curvas naturais: a lordose e a cifose. A lordose é a curva encontrada nas regiões cervical e lombar, e a cifose é encontrada nas regiões torácica e sacro-coccígea.

A presença dessas curvas é normal, mas o aumento e a diminuição que elas podem sofrer são considerados alterações posturais ou patológicas. Descubra a seguir as diferenças entre hiperlordose e hipercifose.

A hipercifose é o aumento do grau da curvatura da coluna torácica, dando a impressão de uma “corcunda”. Essa alteração ocorre por diversos fatores, podendo ser uma alteração postural, por fraturas de osteoporose ou por patologias mais agravantes, como exemplos a Doença de Scheuermann e a espondilite anquilosante.

Nos casos mais avançados, essa deformidade pode ser percebida, facilmente, observando as costas do indivíduo, e pode ser confirmada por meio da radiografia, exame pelo qual é medido o grau da curvatura. Ela ocorre, principalmente, na terceira idade, sendo mais acentuada nas mulheres.

A hiperlordose é o aumento do grau da curvatura da coluna cervical e/ou lombar. Na lombar, a hiperlordose dá a impressão de um “bumbum empinado”, originando-se de diversos fatores, como alterações genéticas e fraqueza muscular.

A condição tende a gerar dores na região da coluna acometida, principalmente, quando o indivíduo produz atividades que exijam bastante esforço ou durante a realização de movimentos repetitivos. Ambos os casos de alterações posturais, hipercifose e hiperlordose, podem ser tratados com a fisioterapia, por meio de exercícios específicos e técnicas de correções posturais.

Em alguns casos, pode-se usar coletes, palmilhas e colchões específicos, associando-se ao tratamento. Após o diagnóstico, o profissional sempre irá utilizar o tratamento mais indicado adequado para cada caso, trabalhando de maneira personalizada para obter a erradicação ou o alívio das dores. Somente em casos raros, essas alterações posturais precisam ser corrigidas com a cirurgia.

Hiperlordose

hiperlordose e hipercifose: diferenças entre elas

Como vimos anteriormente, hiperlordose e hipercifose são condições diferentes. A hiperlordose lombar está associada a uma anteversão pélvica e consequentemente um realinhamento de todas as outras curvas da coluna para uma compensação.

A anteversão pélvica pode estar associada a um desequilíbrio dos músculos abdominal e glúteos, que estão enfraquecidos, e na musculatura lombar que se apresenta encurtada. Já a retificação da lordose lombar está associada à retroversão da pelve, originando coluna plana, com diminuição da mobilidade. A hiperlordose cervical é caracterizada por uma proeminência da cabeça.

A retificação da lordose cervical se caracteriza pela diminuição da lordose e consequentemente um pescoço reto, com diminuição de mobilidade.

Doenças que podem contribuir para o aparecimento da hiperlordose

Espondilolistese: uma vértebra escorrega para frente em relação a uma vértebra adjacente, e isso ocorre, geralmente, na própria coluna lombar.

Obesidade: o indivíduo com sobrepeso pode se inclinar para trás, numa tentativa de melhorar o equilíbrio. O resultado é um impacto negativo na postura.

Osteoporose: o distúrbio da densidade óssea pode causar a perda de força das vértebras e, por conseguinte, comprometer a integridade estrutural da própria coluna. Nem toda hiperlordose precisa de algum tipo de tratamento, mas quando a curva é rígida – deixando as costas sem flexibilidade – há a necessidade de um tratamento eficaz e bem direcionado. O termo não parece tão usual, mas as dores posturais surgem com frequência na população e podem causar extrema fadiga local até a limitação pessoal de certas atividades corriqueiras.

Hiperlordose em gestantes

Durante a gestação, a barriga da mulher pode crescer até cerca de 40cm. Esse crescimento leva a alterações na morfologia da coluna, ocorrendo, principalmente, aumento da curvatura da região lombar.

Além do desconforto, a gestante tem dificuldade para realizar diversas atividades, como levantar e sentar, permanecer por muitas horas em uma mesma posição e até dormir. Com o passar das semanas, o centro de gravidade do corpo se desloca cada vez mais para frente.

Da vigésima a vigésima oitava semana de gestação é o período mais acometido, porém pode se iniciar já a partir da oitava semana. Durante a gestação, ocorre uma intensa transformação no corpo da mulher, para que esta se prepare para o momento do parto. Hormônios como a relaxina e o estrógeno, provocam uma maior frouxidão nos ligamentos da coluna e da bacia.

Alterações na postura durante a gestação, através das compensações, auxiliam na manutenção da posição ereta e olhar horizontal, enquanto o crescimento do feto e o aumento do útero provocam um aumento do peso da mulher e afetam o equilíbrio do corpo.

O aumento do peso é concentrado inicialmente na barriga e os músculos abdominais vão diminuindo o seu tônus pelo crescimento do útero. A lordose lombar aumenta para compensar esse peso e sobrecarrega a porção inferior da coluna. O resultado disso tudo são intensas dores na região da coluna.

Vale ressaltar que as mulheres que já apresentavam alguma história de dor nas costas antes de engravidar têm chance aumentada de sofrer com a coluna.

Como todos esses fatores influenciam na coluna, as mulheres devem se atentar à sua saúde. Praticar exercícios físicos na gravidez é uma ótima maneira de prevenir as dores nas costas. Tendo em vista que estes são fundamentais para manter o peso sob controle e, além disso, fortalecem a musculatura abdominal.

Procure praticar regularmente exercícios físicos de preferência com orientação profissional. Lembre-se de conversar com o seu obstetra para se certificar de que a atividade física é liberada no seu caso.

Hipercifose

A hipercifose corresponde, justamente, à anormalidade que pode surgir nessa curvatura, traduzida pelo aumento do grau, causando uma aparência corcunda

A cifose é uma curvatura natural da coluna vertebral, de convexidade posterior (na região torácica). Já a hipercifose corresponde, justamente, à anormalidade que pode surgir nessa curvatura, traduzida pelo aumento do grau, causando uma aparência corcunda.

A instalação da deformação (costas arqueadas) faz-se, habitualmente, de forma lenta, com ou sem dor nas costas, fadiga, sensibilidade e rigidez da coluna vertebral.

Desvios e dores posturais

Os desvios posturais, por sua vez, podem levar ao uso incorreto de outras articulações, como ombros, braços, quadris, joelhos e pés.

Isso ocorre porque diante do desequilíbrio postural o corpo buscará, naturalmente, compensações a fim de manter o indivíduo em equilíbrio (o que, normalmente, também pode causar enrijecimento e encurtamento dos músculos).

Além disso, os desvios posturais poderão acarretar, com o passar do tempo, pressão entre as vértebras, gerando as dores.

Exercícios para hiperlordose e hipercifose

A prática regular de exercícios físicos é fundamental para tratar e mesmo prevenir muitas patologias. Os próprios desvios posturais, como a hiperlordose e hipercifose, podem contar com exercícios específicos no processo de tratamento. Entretanto, qualquer atividade física só deve ser praticada com a supervisão de um profissional.

Qualquer pessoa e, principalmente pacientes com desvios posturais, devem contar com as orientações de um especialista ao realizar qualquer exercício. A atividade física não deve ser o único procedimento adotado para o tratamento, ela é complementar a outros procedimentos.

Uma das principais atividades orientadas ao paciente com desvios posturais ou qualquer outro problema na coluna vertebral, é o Pilates que oferece exercícios de baixo impacto.

Tratamento conservador do ITC Vertebral

O ITC Vertebral é uma clínica especializada em dores e lesões em toda a coluna vertebral. Oferecemos um programa de fisioterapia completo, onde o objetivo é aliviar a dor, melhorar a mobilidade e restaurar o funcionamento normal das articulações.

O ITC Vertebral oferece um ambiente seguro e acolhedor, onde os pacientes se sentem à vontade para tratar qualquer problema na coluna. A partir do diagnóstico feito, o primeiro passo para o tratamento é sempre o conservador, ou seja, tratamos sem cirurgia.

A cirurgia é feita somente na minoria dos casos, e apenas se o tratamento conservador não apresentar resultados.

O ITC Vertebral utiliza abordagens que respeitam os sinais e sintomas do paciente para seguir com os critérios de tratamento.

O tratamento a longo prazo pode envolver:

  • Osteopatia – técnica de tratamento fisioterapêutico que se baseia no diagnóstico diferencial e tem como ênfase principal a integridade estrutural e funcional do corpo.

fisioterapeuta executando osteoparia

  • Fisioterapia manual – O objetivo das técnicas manuais é devolver a funcionalidade e a biomecânica das estruturas sem causar danos ao paciente, restaurando o movimento máximo e indolor do sistema musculoesquelético no equilíbrio postural.

fisioterapeuta executando motivmentos de fisioterapia manual

  • McKenzie- Técnica que encontra a preferência de movimento do paciente. Ela analisa o quadro e ajuda a reconhecer os exercícios específicos que mais ajudam no alívio das dores. Isso acontece com a participação ativa do paciente, que aprende comportamentos para o dia a dia.

fisioterapeuta executando técnica McKenzie

  • Mesa de Tração – quando indicada, possibilita uma descompressão com cargas controladas.

paciente em mesa de tração

  • Mesa de Flexo-Descompressão – possibilita que o fisioterapeuta tenha total controle sobre a mobilidade da coluna vertebral do paciente, permitindo os movimentos de flexão, extensão, lateralização e rotação.

paciente em mesa de flexo-descompressão

  • Técnicas de fortalecimento muscular – Elaboramos um programa de fortalecimento muscular específico para cada tipo de sintoma e diagnóstico.

fisioterapeuta indicando técnicas de fortalecimento muscular

Nós oferecemos a você uma recuperação completa e segura, com tecnologia avançada para você alcançar mais qualidade de vida.

 

 

 

Sobre o autor