ITC Vertebral

Blog ITC

Osteófitos Marginais: o que são, sintomas e tratamento

Já ouviu falar de osteófitos marginais?

Esse termo é mais conhecido como bico de papagaio. São pequenos crescimentos ósseos que se formam ao longo das bordas dos ossos, sendo encontrados frequentemente em articulações da coluna vertebral, quadris e joelhos.

fotos de osteófitos marginais

Osteófitos marginais são formados, principalmente, em adultos mais velhos. Existem muitas causas diferentes para a sua formação, mas a causa mais comum é o desgaste das articulações por artrite.

Embora possam ocorrer em qualquer articulação, são mais comuns nas articulações que suportam peso, como é o caso da coluna vertebral.

Continue a leitura e saiba mais sobre esse assunto no artigo!

Osteófitos Marginais – o que são?

Osteófitos marginais são crescimentos anormais de tecido ósseo em torno da articulação das vértebras, onde o disco intervertebral deveria funcionar como amortecedor entre os ossos, mas acaba ficando comprometido. Eles se formam quando a cartilagem que cobre o osso se desgasta, causando fricção entre os ossos e, consequentemente, inflamação.

Esta situação é mais comum em pessoas com mais de 60 anos de idade, uma vez que, com o envelhecimento, ocorre o desgaste natural dos discos intervertebrais e acúmulo de lesões ao longo da vida, e isso pode levar ao surgimento de esporões ósseos para tentar estabilizar as articulações desgastadas.

Causas dos osteófitos marginais (bico de papagaio)

fotos de osteófitos marginais

A formação de osteófitos (esporões ósseos) pode ser causada por várias razões, incluindo:

Envelhecimento: À medida que envelhecemos, as articulações e os ossos podem se desgastar, levando à formação de osteófitos.

Desgaste articular: O desgaste das articulações devido ao uso excessivo, movimentos repetitivos ou lesões crônicas pode desencadear o crescimento de osteófitos.

Osteoartrite: Esta é uma doença degenerativa das articulações que frequentemente resulta na formação de osteófitos nas articulações afetadas.

Lesões e trauma: Lesões agudas ou crônicas nas articulações podem levar à formação de osteófitos como parte do processo de cura.

Predisposição genética: Algumas pessoas podem ser geneticamente mais propensas a desenvolverem osteófitos.

Desequilíbrios musculares e posturais: Problemas de postura ou desequilíbrios musculares podem levar a uma distribuição inadequada da carga nas articulações, contribuindo para a formação de osteófitos.

Doenças sistêmicas: Algumas condições médicas, como a doença de Paget, podem aumentar o risco de osteófitos.

Em resumo, a formação de osteófitos pode ocorrer devido ao envelhecimento, desgaste articular, lesões, predisposição genética, desequilíbrios musculares, doenças sistêmicas e outros fatores que afetam as articulações e os ossos.

Grupos de risco

O principal grupo de risco para os osteófitos marginais são as pessoas com idade mais avançada, uma vez que com o envelhecimento as articulações e os ossos podem se desgastar, levando à formação de osteófitos

Atletas também têm um risco mais elevado de desenvolver osteófitos marginais, uma vez que constantemente colocam tensão sobre as suas articulações.

As pessoas com excesso de peso ou obesas estão também em maior risco, uma vez que isto aumenta o desgaste das articulações.

Sintomas

fotos de osteófitos marginais

Na maioria dos casos, pessoas com osteofitose não sentem quaisquer sintomas.

No entanto, em alguns casos, eles podem se tornar grandes e dolorosos, tornando difícil a movimentação da articulação afetada.

Quando os sintomas estão presentes, eles podem incluir:

Dor: A dor é o sintoma mais comum associado aos osteófitos. Eles podem irritar os tecidos circundantes, como ligamentos, músculos e nervos, causando dor na área afetada.

Restrição de movimento: O crescimento dos osteófitos pode limitar a amplitude de movimento em uma articulação, tornando difícil realizar certos movimentos.

Inflamação: A presença de osteófitos pode levar à inflamação localizada, o que pode resultar em inchaço e sensibilidade na área.

Formigamento ou dormência: Em alguns casos, os osteófitos podem comprimir nervos adjacentes, levando a sensações de formigamento, dormência ou fraqueza na área afetada.

Fraqueza muscular: A irritação dos músculos, ligamentos e nervos próximos aos osteófitos pode levar à fraqueza muscular na região.

É importante observar que os sintomas podem variar de pessoa para pessoa e dependem da localização dos osteófitos na coluna vertebral ou em outras articulações. Além disso, a gravidade dos sintomas pode variar de leves a mais intensos, dependendo do tamanho e da localização dos esporões ósseos.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico dos osteófitos marginais é, geralmente, feito com base nos sintomas e exame físico.

Os testes de imagem como raios X, tomografias computorizadas, ou MRIs, também podem ser encomendados para confirmar o diagnóstico e avaliar a gravidade da condição.

Tratamento dos osteófitos marginais

fotos de osteófitos marginais

Na maioria das vezes, osteófitos marginais não necessitam de tratamento, já que não apresentam sintomas.

Contudo, em alguns casos, podem se tornar dolorosos, dificultando a movimentação da articulação afetada. Nestes casos, o tratamento pode ser necessário para aliviar a dor e melhorar o funcionamento das articulações.

Entre as opções de tratamento, podemos incluir :

  • Exercício: o exercício pode ajudar a fortalecer os músculos em torno da articulação afetada e melhorar o alcance do movimento.
  • Perda de peso: a perda de peso pode ajudar a reduzir o stress sobre as articulações;
  • Fisioterapia especializada: Embora os osteófitos em si não possam ser revertidos por meio da fisioterapia, um fisioterapeuta pode ajudar a gerenciar a dor, melhorar a função e a mobilidade, e minimizar os impactos dos esporões ósseos nas atividades diárias.
  • Cirurgia: em raros casos é necessária. Somente quando outras alternativas conservadoras não alcançarem o resultado esperado.

Tratamento conservador do ITC Vertebral

Oferecemos um programa de fisioterapia completo para as mais diferentes patologias da coluna, onde o objetivo é aliviar a dor, melhorar a mobilidade e restaurar o funcionamento normal das articulações para que você tenha mais qualidade de vida.

Os especialistas do ITC Vertebral utilizam abordagens que respeitam os sinais e sintomas do paciente para seguir com os critérios de tratamento mais adequado.

O tratamento pode envolver:

Osteopatia

Técnica de tratamento fisioterapêutico que se baseia no diagnóstico diferencial e tem como ênfase principal a integridade estrutural e funcional do corpo.

fisioterapeuta fazendo Osteopatia no paciente

Fisioterapia manual

O objetivo das técnicas manuais é devolver a funcionalidade e a biomecânica das estruturas sem causar danos ao paciente, restaurando o movimento máximo e indolor do sistema musculoesquelético no equilíbrio postural.

fisioterapeuta fazendo Fisioterapia manual no paciente

McKenzie

Técnica que encontra a preferência de movimento do paciente.

Ela analisa o quadro e ajuda a reconhecer os exercícios específicos que mais ajudam no alívio das dores.

Isso acontece com a participação ativa do paciente, que aprende comportamentos para o dia a dia.

fisioterapeuta fazendo técnica McKenzie em paciente

Mesa de Tração

Quando indicada, possibilita uma descompressão com cargas controladas.

fisioterapeuta e paciente usando a mesa de tração

Mesa de Flexo-Descompressão

Possibilita que o fisioterapeuta tenha total controle sobre a mobilidade da coluna vertebral do paciente, permitindo os movimentos de flexão, extensão, lateralização e rotação.

paciente usando Mesa de Flexo-Descompressão

Técnicas de fortalecimento muscular

Elaboramos um programa de fortalecimento muscular específico para cada tipo de sintoma e diagnóstico.

paciente fazendo Técnicas de fortalecimento muscular

Esta informação foi útil?
Compartilhe com quem também pode se interessar.

Sobre o autor