Protrusão discal

Para que se constitua em hérnia, a protrusão discal deve ir além da abertura natural do invólucro, cobertura, membrana, músculo ou osso; ou rompê-lo. Essa é a diferença entre protrusão discal e hérnia de disco. Na chamada protrusão discal, o disco não rompe o anel fibroso. Na hérnia discal ocorre ruptura do anel fibroso em volta do disco intervertebral e projeção do disco além desse anel, saindo da cavidade que o contém.

O Que É Protrusão Discal?

A protusão discal é o desgaste do disco localizado entre as vértebras. Os discos são estruturas fibrosas, que se localizam entre as vértebras, cujo objetivo é absorver os impactos e evitar o atrito entre as estruturas ósseas, garantindo a mobilidade.  Didaticamente, o disco é dividido em duas partes: um anel fibroso mais externo e um núcleo pulposo. É importante entendermos essa divisão didática para uma compreensão sobre a diferença entre protusão discal e hérnia de disco.  Existem diversas causas para que a protusão discal ocorra, bem como fatores predisponentes.  A protusão discal pode ocorrer na região cervical, lombar e torácica, de acordo com a região da coluna na qual ela ocorrer.

Protrusão Discal x Hérnia de Disco 

Quando ocorre o desgaste do disco intervertebral e o anel fibroso não é rompido, temos o quadro denominado protusão discal.  Por sua vez, se o núcleo do disco ultrapassa o anel que o envolve (portanto, tendo o rompimento do anel fibroso) temos um quadro característico de hérnia de disco.  Pode-se dizer que a protusão discal é a fase inicial da hérnia de disco, que pode ou não vir a ocorrer. Nem toda protusão discal irá resultar em uma hérnia de disco.

Sintomas da Protrusão Discal

protrusão-discal

Quando o disco sai para fora do limitado espaço no qual ele está contido, isso pode pressionar a medula espinhal.  É justamente essa compressão do nervo que provoca os sintomas de dor e mais graves da protusão discal. Independente da área que a protusão discal ocorre (seja lombar, torácica ou cervical), esses sintomas podem ser comuns: 

  • Dor local; 
  • Formigamento; 
  • Limitação de movimento.

De acordo com a região que a protusão discal ocorre, alguns sintomas mais específicos podem ocorrer.

Protrusão discal cervical – Sintomas 

  • Dor no ombro; 
  • Dor nos braços
  • Deterioração da habilidade motora fina das mãos; 
  • Dor no pescoço.

Protrusão discal torácica – Sintomas 

  • Dor na região torácica ao tossir; 
  • Dor na região torácica ao espirrar. 

Protrusão discal lombar – Sintomas 

  • Formigamento nas pernas; 
  • Déficit de força muscular nas pernas; 
  • Dificuldade de caminhar; 
  • Formigamento nos glúteos; 
  • Formigamento na região genital. 

As áreas mais comuns da coluna que podem apresentar protrusão discal são a região cervical e a região lombar, justamente porque essas são as duas áreas mais flexíveis da coluna e, com isso, as áreas que sofrem maior impacto.

Causas da Protusão Discal

As causas da protusão discal podem ser várias.

As causas da protusão discal podem ser várias.

Existem algumas situações, como trabalhos ou hábitos, que podem aumentar a chance de uma pessoa desenvolver protusão discal.  Quem se submete a posições com vibração local por muito tempo, por exemplo, motoristas, têm maior chance de terem o problema.  Indivíduos que trabalham constantemente carregando pesos, com trabalho físico pesado, também estão na categoria de risco de vir a desenvolver protusão discal.  Outros hábitos que podem levar ao desenvolvimento do problema são: 

  • Postura de trabalho sentada e parada por muito tempo; 
  • Inclinação ou girar o tronco frequentemente. 

Além disso, com o envelhecimento, há perda da lubrificação dos discos intervertebrais e há uma tendência ao desgaste dos discos. Portanto, o envelhecimento pode ser considerado um fator de risco para o desenvolvimento da protusão discal.  Vale lembrar que também há fatores hereditários envolvidos (algumas pessoas têm maior tendência a desenvolver protusão discal e hérnia de disco do que outras, mesmo fazendo atividades similares).

Diagnóstico da Protusão Discal

O diagnóstico de protusão discal é em virtude da sintomatologia clínica, ou seja, o paciente procura um médico ortopedista em virtude dos sintomas que apresenta.  O ortopedista também poderá solicitar exames como raios-X, ressonância magnética e tomografia, para também se estabelecer o local da coluna no qual ocorre a protusão discal.

Protusão Discal tem Cura?

Como a protusão discal não tem cura o ideal é fazer exercicios como yoga e pilates para aliviar as dores.

Como a protusão discal não tem cura o ideal é fazer exercicios como yoga e pilates para aliviar as dores.

Normalmente, o problema não tem cura. Mas o tratamento correto ajuda no controle dos sintomas e consequente evolução da doença. Pacientes que se submetem ao tratamento no início do diagnóstico possuem chances aumentadas de terem uma maior qualidade de vida. A realização de um programa de pós-tratamento (especialmente com a RPG ou o Pilates), também garante muitos benefícios, evitando, inclusive, as crises de dores. Entende-se, portanto, que o objetivo do tratamento em pacientes com protrusão discal é melhorar a estabilidade da coluna vertebral, a fim de prevenir os sintomas e progressão da doença. O paciente pode conviver bem com o problema, sem as dores e outros incômodos característicos.

Tratamento 

O tratamento visa tirar o paciente do quadro agudo e melhorar o quadro clínico de protusão discal.  Portanto, em um primeiro momento, se o paciente busca o ortopedista com quadro agudo de dor, podem ser usadas medicações como anti-inflamatórios e relaxantes musculares, para alívio imediato dos sintomas.  Em seguida, é importante que o paciente seja encaminhado a um serviço de fisioterapia para melhora de sua postura.  Além disso, o fortalecimento da musculatura da região, feito de maneira adequada, por meio de Pilates, por exemplo, pode fazer com que o paciente não tenha mais crises de dor e conviva bem com problema.  Esse é o tratamento conservador, com o apoio da fisioterapia para melhora da postura muscular do paciente, que se tiver boa participação poderá conviver com a protusão discal, não tendo mais quadros de dor.  Porém, em alguns casos, o tratamento conservador não é suficiente. Nesses casos, quando há repetidos ataques ou sintomas duradouros, uma abordagem mais radical pode ser necessária.  Há as opções Cirurgia de Abertura Convencional e a Cirurgia Endoscópica Minimamente Invasiva da Espinha. Lembrando que mesmo após a cirurgia, será necessária fisioterapia reabilitadora, portanto, é importante o paciente perceber que somente a cirurgia não garante que ele fique totalmente livre do problema.

Fui Diagnósticada com Protrusão Discal, Preciso Interromper as Atividades Físicas? 

Primeiramente, calma.  Se o diagnóstico foi feito mediante um quadro agudo de dor, a primeira coisa a se fazer é aderir ao tratamento para sair do quadro de dor.  Em seguida, a adesão ao tratamento fisioterápico é também fundamental, pois não só a fisioterapia faz parte do tratamento, como também ela será responsável pelo fortalecimento e alongamento dos músculos que envolvem a coluna e a pelve.  Muitas pessoas acham que, mediante um diagnóstico de protusão discal, não devem nunca mais praticar qualquer atividade física, abandonando a vida ativa, pois isso só piorará o problema. Esse é um conceito que não está certo.  O que essas pessoas não sabem é que para nutrir os discos é preciso movimento, compressão adequada e controlada, preservando assim as características funcionais do disco.  Quando isso não ocorre, a tendência é de desnutrição e consequente piora da mobilidade e função desta região.  Portanto, pessoas com diagnóstico de protusão discal deverão sempre fazer exercícios de fortalecimento para a região e poderão manter uma vida ativa, com exercícios sendo prescritos e supervisionados por profissionais.  A carga e o tipo de exercício dependerão muito do grau e da região acometida pela protusão. (cervical, torácica ou lombar), se existem estruturas comprimidas e as alterações posturais que o indivíduo possui.  Há também fatores psicológicos que devem ser sempre considerados em indivíduos com quadros repetidos de dor que não respondem bem ao tratamento conservador, caso esse tratamento tenha sido realmente feito pelo paciente.  Portanto, a análise e tratamento multifatorial, envolvendo ortopedista, fisioterapeutas e educadores físicos, é fundamental para quem tem diagnóstico de protusão discal, não só para não ter mais quadros de dor, como também para se manter ativo e com uma vida saudável.  O comprometimento do paciente com o tratamento proposto também é fundamental.

Todo o conteúdo deste website é produzido e de reponsabilidade da equipe que compõe o ITC Vertebral.