Protusão discal: é possível tratar?

17/jun Por Helder Montenegro Revisão 10/jun - 2022

Dores na coluna são uma das queixas mais relatadas em consultórios médicos em todo o mundo, e um dos problemas que causam mais afastamentos no trabalho em vários países, inclusive aqui no Brasil.

A protrusão discal é uma condição que afeta as costas, e ocorre quando um dos discos entre as vértebras da coluna vertebral se rompe ou se expande. Isto pode causar muita dor e desconforto, e pode tornar as atividades diárias muito difíceis.

No artigo de hoje, vamos explorar o que são as saliências dos discos, as suas causas e sintomas, e como podem ser tratadas. Discutiremos também formas de evitar que as saliências de discos ocorram.

O que é protusão discal?

Protusão Discal: Saiba o que é e como prevenir! | Bauerfeind Brasil

A protrusão discal é uma condição que ocorre quando o disco entre duas vértebras na sua coluna vertebral se expande ou se rompe. Isto pode fazer com que o disco pressione os nervos da sua coluna, levando dor, dormência e fraqueza nos seus braços ou pernas.

Agendar sua Avaliação

Porém, a protusão discal tem suas particularidades e definição específica. Como a maioria dos problemas articulares na coluna, a protusão discal (“protrusão discal”) é causada pelo envelhecimento dos discos intervertebrais ocasionando também dor nas costas, formigamento, dormência e fraqueza, entre outros sintomas específicos.

Tudo vai depender da região acometida. Para entender como surge a protusão discal, vamos explicar abaixo a sua definição, causas, sintomas, diagnóstico e tratamentos.

Protusão discal vs Hérnia de disco: quais as diferenças?

Protrusão discal pode evoluir para hérnia de disco; confira causas, sintomas e tratamentos

O disco de protrusão e a hérnia discal são duas condições diferentes, embora tenham algumas semelhanças. Ambas se referem a um problema com um dos discos na sua coluna, mas existem algumas diferenças entre elas.

No caso da hérnia de disco, a protusão discal segue além da abertura natural do invólucro, cobertura, membrana, músculo ou osso. Ou seja, a hérnia discal ocorre quando há ruptura do anel fibroso e o núcleo pulposo projeta-se além desse anel, saindo da cavidade que o contém.

Assim, toda hérnia de disco já foi uma protrusão discal, mas nem sempre toda protrusão discal chegará a ser uma hérnia de disco. Tanto a hérnia de disco como a protusão discal, são classificadas de acordo com a região afetada da coluna vertebral.

Assim, temos a protusão discal cervical, protusão discal lombar, e a protusão da coluna torácica, sendo a última menos comum. Já que as primeiras regiões possuem uma maior movimentação.

Quais as causas da protusão discal?

Já ouviu falar sobre protusão discal? Saiba o que e como evitar - Webrun

Os principais sintomas da protusão discal podem variar de acordo com a posição do disco intervertebral da região mais afetada. Mas em todas elas, as queixas são sobre dores locais, que aumentam quando o paciente espirra, tosse ou tem qualquer outro tipo de espasmo que envolva a musculatura das costas.

Durante essas ações ocorrem espasmos da musculatura paravertebral e antalgia da coluna lombar.

Alguns outros fatores comuns a outros problemas de coluna, como por exemplo, a má postura, levantamento de peso em excesso e disposição genética, também podem vir a contribuir para o aparecimento da protusão discal.

Assim, as principais causas da protusão discal, podem ser as seguintes abaixo:

  • Envelhecimento;
  • Carregamento de pesos excessivos (levantar, puxar, empurrar) contínuos e frequentes;
  • Sobrecarga na coluna (excesso de exercícios físicos ou peso);
  • Prática de exercícios físicos intensos sem orientação profissional;
  • Má postura ou estática;
  • Exposição a vibrações diretas na coluna por longo prazo;
  • Movimentos repetitivos como inclinar e girar o tronco;
  • Trabalho físico pesado e repetitivo;
  • Algumas profissões, como dirigir por longos períodos, pedreiro, carregador, etc.;
  • Acidentes ou traumas;
  • Questões psicológicas e psicossociais.

Sintomas da protusão discal

Podem haver sintomas como dormência, formigamentos (parestesias) e irradiação para membros ou extremidades superiores ou inferiores.

Isso porque, quando há pressão nas raízes nervosas vertebrais, pode ocorrer enfraquecimento dos membros inferiores, com dores que irradiam para as pernas.

No caso da protrusão discal cervical, por exemplo, as dores se concentram na região superior da coluna; pescoço, face, ombros, nos braços e dedos.

Isso por conta da pressão do abaulamento discal sobre raízes nervosas, que afeta toda região dos membros superiores e do tronco. Já na protrusão discal lombar, os sintomas se concentram na parte inferior das costas irradiando a compressão nervosa para as pernas do paciente.

Portanto, é comum apresentar sintomas como

  • Dor;
  • Fraqueza;
  • Formigamento nas pernas;
  • Glúteos e na região genital;
  • Limitação dos movimentos, um dos sintomas mais graves.

A protusão discal da coluna torácica ainda apresenta sintomas no meio das costas, como ao redor das costelas, tronco e órgão internos.

Como é feito o diagnóstico para a protusão discal

Normalmente, o diagnóstico da protrusão discal deve ser feito por um médico especialista em coluna. Neste caso, o ortopedista faz o diagnóstico através de um exame clínico (anamnese), sempre levando em conta a descrição dos sintomas pelo paciente junto aos resultados de exames de imagem e neurológicos.

Os exames mais comuns são as radiografias e ressonâncias magnéticas, como tomografia computadorizada, ressonância nuclear magnética.

Todos eles, além de diagnosticar a doença, ajudam a determinar o tipo de abaulamento, definir a proporção da área lesionada e a sua localização (região da coluna), assim como delimitar a posição da lesão para impedir que se espalhe.

Portanto, diante dos sintomas de dor, o médico recorre ao seguinte processo de diagnóstico antes de receitar um possível tratamento:

  1. Exame físico: avalia a força, a sensibilidade e os reflexos do paciente a fim de determinar a extensão da lesão;
  2. Ressonância Magnética: ajuda a visualizar imagens detalhadas de partes moles e ósseas da coluna vertebral;
  3. Radiografia Dinâmica: ajuda a descartar danos por instabilidade do segmento vertebral e fornece informações sobre como a coluna se comporta em movimento.

Como é feito o tratamento para a protusão discal?

GPS Lifetime | Protusão discal e hérnia de disco: entenda as diferenças

O disco saliente pode ser tratado de várias maneiras, mas sempre sob a orientação de um especialista.

A protusão discal não tem cura. No entanto, os tratamentos propostos têm por objetivo melhorar a estabilidade da coluna vertebral, aliviar os sintomas e, consequentemente, a evolução da doença.

Vale ressaltar que, quando o tratamento é iniciado logo que a doença é diagnosticada, o paciente tem mais chances de uma qualidade de vida melhor.

Pois, caso a protusão discal não seja tratada precocemente, o problema pode piorar e progredir para uma hérnia de disco. Assim, seguindo um tratamento adequado, o paciente pode conviver perfeitamente bem com o problema, sem as dores e outros incômodos característicos.

Por isso, um programa de pós-tratamento, especialmente com técnicas de RPG ou Pilates, também pode trazer muitos benefícios e evitar futuras crises de dores.

Existem vários métodos de tratamentos que podem amenizar os incômodos causados pela protusão discal. A princípio, o médico ortopedista pode indicar um tratamento conservador (não cirúrgico), pois uma grande maioria de pacientes costuma encontrar alívio para os sintomas através desse regime.

Nessa fase, faz-se uso de medicamentos que aliviam os sintomas e, em seguida, o paciente é encaminhado para um tratamento fisioterapêutico para o equilíbrio muscular e correção da postura.

Caso os sintomas da protusão discal persistirem e o paciente não responder ao tratamento conservador, o médico poderá submetê-lo a uma abordagem cirúrgica em vez do método convencional (algo raro) ou por métodos menos invasivos.

Tratamento conservador ajuda a tratar a protusão discal?

O objetivo do tratamento conservador para a protusão discal é restaurar os espaços existentes entre o disco e as estruturas vizinhas, reforçar os músculos ao redor da área afetada e liberar a pressão exercida sobre os discos e nervos lesionados.

Portanto, algumas atitudes precisam ser tomadas, como:

Estilo de vida

Alimentação saudável e realização de exercícios para manter um equilíbrio na rotina e na saúde;

Medicamentos

Tratamentos à base de anti-inflamatórios são utilizados para diminuir a inflamação, e os analgésicos para aliviar a dor, e dependendo do caso, pode ser necessário relaxantes musculares na fase aguda da doença.

Fisioterapia

tratamento fisioterapêutico é mais indicado na fase crônica, quando os sintomas já foram “silenciados”. Assim, neste estágio são utilizados alguns tipos de estratégia essenciais para o fortalecimento das estruturas musculoesqueléticas, são eles:

  1. Fisioterapia manual: Tem o intuito de diminuir a dor e os espasmos musculares, aumentando a mobilidade da região. Por causa da disfunção das partes moles, a protusão discal altera o movimento articular e diminui a mobilização e o alongamento articular. Assim, técnicas de fisioterapia manual, como RPG e Pilates, podem ajudar bastante;
  2. Fisioterapia convencional: Visa o fortalecimento dos músculos de toda a coluna através da cinesioterapia (movimentos passivos e ativos) com a reeducação postural a base da utilização de equipamentos como, infra, ultrassom, estimulação elétrica transcutânea do nervo (TENS). Além disso, a hidroterapia, massagens para relaxamento da musculatura e compressas quentes e/ou frias ajudam bastante;
  3. Musculação: normalmente, é recomendada na fase pós fisioterapia e deve ser feita com acompanhamento específico e capacitado. Pois, depois do tratamento fisioterapêutico, o fortalecimento dos músculos e estruturas da região lesionada, é essencial para a recuperação.

Qual o melhor tratamento para a protusão discal?

Não existe um modelo de tratamento padrão. As manifestações dolorosas são classificadas e devem receber tratamento específico, podendo envolver:

  • Manipulação ou mobilização articular;
  • Mesa de tração e flexão;
  • Exercícios direcionais;
  • Estabilização segmentar;
  • Trabalho de fortalecimento focado no pós-tratamento – o que garante a diminuição de recidivas (volta da dor).

O ITC Vertebral investiu incansavelmente em pesquisas para trazer o melhor conceito de tratamento conservador para pacientes com dores e lesões na coluna. 

Hoje, utilizamos uma abordagem que respeita os sinais e sintomas do paciente para seguir com os critérios de tratamento.

Agende agora mesmo uma avaliação com nossos especialistas e saiba como você deve prosseguir com o seu caso.

Cirurgia

Raros são os casos de tratamento cirúrgico tradicional na coluna. Hoje, com tantos avanços na tecnologia, as cirurgias na coluna são realizadas de forma minimamente invasiva.

Como o próprio nome diz, a cirurgia minimamente invasiva é um conjunto de procedimentos que oferece uma forma menos agressiva para o nosso organismo.

Desta forma, além de diminuir a dor nas costas o método tem muitos outros benefícios para o paciente. Como, por exemplo, uma recuperação mais rápida com retorno às atividades habituais. Além disso, a cirurgia minimamente invasiva também apresenta menor risco de maiores complicações cirúrgicas e pós-operatórias.

Isso ocorre porque como o trauma de pele e músculos é reduzido devido aos cortes e manipulação de tecidos mínimos, o paciente vai sentir menos dor no período pós-operatório, podendo se movimentar poucas horas depois da cirurgia.

Outro benefício, graças a recursos tecnológicos avançados, a cirurgia minimamente invasiva reduz o risco de sangramento e infecção, pois é realizada por meio de pequenas incisões, através de poucos cortes ou até mesmo nenhum, feitos com agulhas ou com auxílio de endoscópio.

Portanto, essas intervenções têm sido as mais indicadas para quase todas as partes do corpo humano, em especial as mais sensíveis, como a coluna. No caso das costas ou região cervical, a mais indicada é a discectomia percutânea.

Recuperação

O tempo para recuperação vai depender de cada paciente e da gravidade da protrusão discal. No início do tratamento, o paciente até poderá sentir alívio das dores decorrentes da protrusão discal, mas o tratamento ainda pode demorar alguns meses para ser totalmente concluído.

Em casos mais graves de protrusão discal, o alívio das dores poderá persistir mais tempo, e aliviar apenas após várias sessões de tratamento fisioterapêutico.

Quanto menor o tamanho da protrusão discal, menor será a pressão sobre as raízes nervosas, assim menos serão os sintomas de dor. Em todos os casos, as dores e formigamentos costumam diminuir progressivamente conforme o tratamento for minimizando o tamanho da protrusão discal.

É possível se prevenir contra a protusão discal?

Sim, é possível prevenir a protrusão do disco através de algumas medidas, como por exemplo:

  • Manter uma boa postura quando sentado ou de pé por longos períodos de tempo;
  • Use sapatos confortáveis com um calcanhar baixo e bom apoio;
  • Pratique atividades físicas regularmente para manter os músculos fortes e evitar dores nas costas;
  • Durma sobre um colchão firme e use uma almofada para apoiar o seu pescoço.

Se você tiver dúvidas sobre esta condição e quiser marcar uma avaliação, não hesite em nos contactar.

Esperamos que este artigo tenha sido útil para compreender melhor a protrusão discal e seus tratamentos.

Obrigado pela sua leitura!

Agendar sua Avaliação

Todo o conteúdo deste website é produzido e de reponsabilidade da equipe que compõe o ITC Vertebral.